quem sou eu

Meu nome é Carol Ferrés. Sou designer gráfico e webdesigner de formação, me mudei para a cidade de São Paulo em 2002, para trabalhar com design editorial. Lembro meu primeiro dia de trabalho na Editora Abril, assustada com a proporção de tudo na cidade. Lembro também o que mais me chamou a atenção naquele primeiro dia: o rio - Pinheiros - que corria ao lado da editora, e que tinha um cheiro muito ruim. Após nove anos trabalhando no mercado de editoração, decidi largar tudo para entender meu papel no mundo. Naveguei por várias áreas: sapatos artesanais, arquitetura, ilustração. Lá pelos idos de 2011, comecei a fazer intervenções urbanas pelas ruas de São Paulo, movida pela sensação angustiante de que a vida na cidade grande precisava de cuidado. Essa era a palavra que me movia: cuidado. A partir da primeira intervenção - uma horta na calçada de minha casa - não parei mais. Foram seis anos que me trouxeram muito crescimento e aprendizado e modificaram totalmente a forma como enxergo as mudanças hoje e dia. Aqui algumas reflexões que considero valiosas para a jornada que vem a seguir.


who am I

My name is Carol Ferrés. I’m a former graphic and web designer, and I moved to the city of São Paulo in 2002, to work with editorial design. I remember my first day at work in a company called Editora Abril that was located close to one of the most important rivers of the city and yet, totally polluted: Pinheiros River. After nine years working in the publishing market, I decided to stop what I was doing to understand my role in the world. I’ve got interested in several areas: handmade shoes, architecture and illustration. In 2011 I started to make urban interventions in the streets of São Paulo, driven by the distressing feeling that life in big cities needed care. This was the word that moved me: care. Since the first intervention - a garden on the sidewalk of my house - I never stopped. It was six years that brought me growth and learning and totally changed the way I understand change nowadays. Here some reflections that I consider valuable to the next journey to come.

as artes são catalisadoras de mudança de cultura

arts are catalyst for culture change

a tecnologia nos ajuda a estimular o desejo por cidades verdes

technology helps us create desire for green cities

a comunicação espalha a mudança de cultura pelo mundo

communication spreads culture change around the world

experiências urbanas nos conectam com o planeta

urban experiences connect us to the planet

intervenções urbanas são convites para agir

urban interventions are call-to-actions

a próxima jornada

Seis anos de intervenções a ações nas ruas da cidade me ajudaram a perceber formas de provocar a acelerar mudanças de comportamento, através de ações que promovem a desobediência urbana responsável. O poder do exemplo é infinitamente superior ao poder da palavra, no meu ponto de vista. Hoje, acredito muito mais em protótipos do que em projetos exaustivamente planejados. Com este processo de aprendizado me sinto confiante em empreender a próxima jornada, que é um desdobramento da última ação, iniciada em 2015, chamada Cidade Azul. A Cidade Azul é uma iniciativa dedicada a transformar nossa relação com a água nas cidades, através de uma jornada para resgatar os rios urbanos e que inclui pesquisa e compartilhamento de soluções alternativas para saneamento básico. A Cidade Azul terá como um de seus pilares uma plataforma de mapeamento e transparência sobre saneamento básico urbano, com lançamento previsto para 2018. A seguir apresento o trabalho dos seis últimos anos.


the journey to come

Six years of interventions and call to actions on the streets of São Paulo helped me understand ways to provoke and speed up behavior change, through actions that promote responsible urban disobedience. The power of the example is infinitely superior to the power of the speech, in my point of view. Today, I believe a lot more in prototypes than in exhaustively planned projects. After this learning process I feel confident in start the next journey, which is an unfolding of the last call to action, launched in 2015, called Blue City. Blue City is an initiative dedicated to transform our relationship with water in cities, though a journey to rescue urban rivers that includes research and sharing alternative solutions for water sanitation. One of the pillars of Blue City will be a platform for mapping and transparency platform on basic sanitation and will be launched in 2018. The following is the work of the last six years.

cidade azul

A Cidade Azul que transformar nossa relação com a água e com os rios em ambientes urbanos. Por séculos as cidades têm tratados seus rios como canais de esgoto e o resultado é que não podemos desfrutar de sua presença e nem usufruir da sua água. Estamos focados agora em revelar os rios enterrados, marginalizados e poluídos. Queremos que os rios passem a fazer parte da vida e do coração das pessoas. E a partir desse relacionamento questionar o atual modelo de saneamento básico. Hoje, 70% da poluição dos rios urbanos é decorrente de esgoto doméstico. Para isso criamos audio-guias, intervenções urbanas e vídeos que contam a história e a conexão entre os rios, as pessoas e as cidades. Começamos em São Paulo, no Brasil. Criamos uma plataforma que ajuda pessoas a encontrar os rios marginalizados e enterrados de São Paulo. São Paulo tem mais de 300 rios poluídos, enterrados e misturados com esgoto.


blue city

Blue City wants to change our relationship with water and rivers in urban environments. For centuries cities have been treated their rivers as sewage channels and buried them and the result is we are not able to enjoy their presence and use their water. We are now focused in revealing lost, buried and polluted rivers. We want rivers to be part of people's life and heart. We want to review the current water sanitation design. Today, 70% of the pollution of urban rivers is due to domestic sewage. We create audio-guides, artistic interventions and videos to tell the story of rivers and reveal the connection between rivers, cities and people. We started in Sao Paulo city, in Brazil. We created a platform that helps people find lost and buried urban rivers in São Paulo. São Paulo has more than 300 hundred rivers polluted, buried and mixed with sewage.



rio pinheiros azul

Você já parou pra pensar que, se os rios fossem limpos, São Paulo teria praia? Pense nisso. Um parque em frente a um rio limpo. Passear ou pedalar por suas margens após um dia de trabalho. Relaxar e tomar sol à sua beira. Nós imaginamos esse futuro. Vamos transformar o Rio Pinheiros ainda nesta vida. Rio Pinheiros Azul propõe a ocupação das margens, e a partir dessa ocupação, questionar o atual modelo de saneamento básico. Hoje, 70% da poluição dos rios urbanos é decorrente de esgoto doméstico. Nós construímos espaços e situações que provocam o desejo por um rio vivo. Entendemos que só o envolvimento poderá transformar essas águas.


pinheiros river blue

Have you ever thought that, if rivers were clean, São Paulo would have beaches? Think about it. A park right in front of a clean river. Take a walk or ride a bike on its banks after work. Lie down and sunbathe by the riverside. We imagine this future. We are going to transform Pinheiros river still in this life. Pinheiros River Blue proposes the occupation of its banks. We want to review the current water sanitation design. Today, 70% of the pollution of urban rivers is due to domestic sewage. We build spaces and situations that create desire of a live river. We understand that only involvement can change the future of the river.



cadê a faixa?

Por três anos nossa vizinhança pediu à prefeitura que pintasse uma faixa de pedestres em uma rua movimentada perto de uma praça muito visitada por crianças e seus pais. A resposta era sempre que eles estavam analisando a necessidade. Um dia decidimos pintá-la nós mesmos. Compramos uma lata de tinta e alguns rolos e em um domingo à tarde pintamos a faixa. Éramos aproximadamente dez pessoas e entre nós estava o jornalista de um blog conhecido. Aquela semana, ele escreveu sobre a pintura da faixa e publicou a história no blog. Aproximadamente 25 mil pessoas leram a notícia. Duas semanas depois, a prefeitura apagou nossa faixa e pintou uma nova. O que fica dessa história é que as coisas só mudam quando nós mudamos nossa relação com elas.


the pedestrian crossing

For three years our neighborhood asked the Municipality for a crosswalk in a busy street close to a square attended by parents and their kids. The answer was always that they were analyzing the need. One day we decided to do it ourselves. We bought a can of painting and some brushes and in one Sunday afternoon we painter a crosswalk. We were about ten people and between us there was a journalist of a known blog. That week, he wrote about the crosswalk painting and published the story through social media. About 25 thousand people read the story. Two weeks later, the municipal service responsible for traffic erased our crosswalk and painted a new one. The understanding about this story is that things only change when we change the way we relate to them.



quadra amiga pompeia

Imagina trabalhar uma quadra inteira como unidade para a transformação da cidade? É assim que a Quadra Amiga enxerga a cidade. Quadras são aglomerados de edificações – casas, prédios, estabelecimentos comerciais – envoltos por um anel de ligação e conexão: a calçada. A calçada é o espaço daquele que caminha, onde encontramos nossos vizinhos, aqueles com quem compartimos muito mais de nossas vidas do que em geral percebemos. E que bom se esse compartilhar fosse mais consciente! Imagina que delícia seria se entendêssemos esse anel de conexão como um espaço sagrado, onde prestamos nossa homenagem à cidade e ao outro, sem pedir nada em troca? Apenas pela vontade de retribuir, de pertencer, de fazer um gesto gentil, de embelezar a vida de todos.


friendly block pompeia

Imagine work on a whole block as a unity to transform cities? That is how Friendly Block sees cities. Blocks are building clusters – houses, buildings, shops – surrounded by a connection ring: the sidewalk. The sidewalk is where we meet our neighbors, those ones we share much more of our lives that we often realize. It would be great if this sharing were more conscious! Imagine how nice will be if we understand this connection ring as a sacred space, where we pay tribute to the city and to others, without asking anything in return? Only guided by the desire of giving back, of belonging, of making a kind gesture and making everybody life more beautiful.



quadra amiga vila mascote

E quando não tem calçada? Ah! Quando não tem a gente cria. A calçada é um direito do pedestre. Na Vila Mascote, uma quadra onde as portas das casas davam direto para a rua, a saída foi pintar e delimitar uma faixa azul para delimitar o espaço da calçada. E não é que funciona? Quando utilizamos cores para tangibilizar sonhos, o resultado é sempre bom. Afinal, São Paulo é uma cidade cinza, barulhenta, dura. Muitas vezes o direito das pessoas dá lugar ao dos carros, ao do cimento. As cores vêm pra nos devolver esses direitos, pra dividir melhor o espaço, pra que caibam todos.


friendly block vila mascote

And when there is no sidewalk? Well, when there isn't it, we create it. Sidewalk is a right of pedestrian. On Vila Mascote, a neighborhood where the doors of the house opened straight to the street, the solution was to paint a blue band to delimit the sidewalk. And it works! When we use colors to make dreams tangible, the result is always good. After all, São Paulo is a gray city, noisy, tough. Often, the right of people is replaced by cars and by cement. Colors come to review these rights, to better share the space in order to fit all.



galeria de arte reciclada

Vamos unir arte, geração de renda e lixo pra transformar o tapume de uma obra? Assim nasceu o painel de arte reciclada. Uma obra do artista Rodrigo Machado, com o apoio do projeto Pimp My Carroça e a participação de catadores da região. Para finalizar, frases com os 12 critérios para determinar um bom espaço público foram estampadas em pedaços da obra. O quarteirão agradece a gentileza!


recycled street gallery

Let's bring together art, income generation and trash to transform the screen of a building work. That is how the recycled art panel was born. It is the result of the work of the artist Rodrigo Machado, with the support of the project Pimp My Carroça and the collaboration of the trash pickers of the neighborhood. At the end we printed phrases with 12 criteria to determine a good public space. The block thanks kindness.



vem pro edite

Durante um ano, trabalhamos a ativação da praça Arlindo Rossi, localizada em frente ao complexo residencial Jardim Edite, que acabara de ser inaugurado. O objetivo foi reviver o sentimento de comunidade de quem ali morava antes, na favela Jardim Edite. Os moradores haviam sido realocados para outros lugares até que a construção ficasse pronta. O projeto teve várias fases e várias ativações, como aulas de tênis propostas pelos próprios moradores, piqueniques e churrascos de rua, telões com jogos de futebol e muitas atividades artísticas para as crianças. A prefeitura de São Paulo também colaborou com um novo parquinho e equipamento de ginástica.


come to edite

During a whole year, our focus was to activate a square named Arlindo Rossi, located in front of a residential complex named Jardim Edite, that had been opened just a few months ago. The goal was to revival the sense of community of the former neighborhood, the favela Jardim Edite. Neighbors had been reallocated to other places until the construction was finished. The project had different stages and several call-to-actions, as for example tennis classes proposed by the residents themselves, picnics and street barbecues, screening with soccer games and a lot of artistic activities for kids. Sao Paulo's municipality also collaborated with a new playground and fitness equipment.



galeria jardim edite

Um longo muro azul em um dos locais mais emblemáticos de São Paulo só poderia se transformar em uma galeria com os melhores grafiteiros da cidade! No muro do complexo residencial Jardim Edite, ao lado da ponte Estaiada, nasceu a galeria Jardim Edite. Os artistas Mundano, Primat, Katia Suzue, Thiago Goms e Ozi Stencl, com o apoio da comunidade, transformaram o lugar em um dos dez melhores passeios turísticos da cidade.


edite graffiti gallery

A long blue wall in one of the most emblematic places of São Paulo could only turn into an art gallery with the best artists ever! The gallery is located on the wall of the housing complex Jardim Edite, close to one of the most known bridges of town. Artists Mundano, Primat, Katia Suzue, Thiago Goms and Ozi Stencl, with the support of the community, turned the place into one of the city's best sightseeing.



galeria infantil edite

Que tal fazer uma galeria de grafite com a participação das crianças do Jardim Edite? Os artistas da Galeria Jardim Edite doaram seu final de semana para compartilhar conhecimento com aproximadamente 50 crianças. Foram mais de 15 tapumes pintados a várias mãos, e uma surpreendente criatividade por parte da criançada. A sequência de tapumes se tornou um painel que faz do muro de um dos terrenos onde serão construídos mais apartamentos para a população. Inspirador.


edite infant graffiti gallery

Another call-to-action created during 'Come to Edite' was a graffiti gallery with the participation of kids of the neighborhood. The artists of Edite's Gallery donated their time during a weekend to share their knowledge with about 50 children. The result was more than 15 screens painted together and an amazing creativity shown by kids. The sequence of sidings became the wall of a ground where more houses will be built for population. Inspiring.



almoço na praça

Durante três meses, fizemos um experimento muito divertido. Que tal trocar, uma vez por semana, o almoço em casa ou no restaurante por um piquenique na praça? O objetivo era resgatar o costume de preparar um piquenique, estender uma toalha embaixo de uma árvore e simplesmente relaxar durante algumas horas. Algumas pessoas aproveitaram para vender seus lanches, outras preferiram apenas dividir. O mais importante foram as conversas que nasceram desses encontros, o contato com a cidade e suas praças.



lunch at the square

During three months, we created a funny experiment. What if we change, once a week, lunch at home or restaurant for a picnic at a square? The aim was to rescue the custom of preparing a picnic, place a towel under a tree and just relax for a few hours. Some people decided to sell some snacks, others preferred just split them. In the end, the most important were the conversations born from these meetings, the connection with the city and its squares.



projeto coruja

Vamos criar novos usos para o Parque Linear das Corujas? É assim que nosso primeiro projeto de intervenção urbana convidava os moradores dos bairros da Vila Madalena e Beatriz, na Zona Oeste de São Paulo. O parque linear, próximo à Praça das Corujas e inaugurado em 2011, ainda era um canto esquecido. Em parceria com a Acupuntura Urbana, criamos um projeto para envolver a comunidade na co-criação do espaço. O processo durou um ano, foi apresentado na X Bienal de Arquitetura de São Paulo e resultou em ações como Galeria Coruja e Escola na Praça.


coruja's project

Let’s create new uses for Coruja’s Linear Park? That is how our first urban intervention project invited residents of Vila Madalena and Vila Beatriz, two neighborhoods located in São Paulo, Brazil. The urban space, near Corujas’s Square, inaugurado in 2011, was still a forgotten corner. In partnership with Acupuntura Urbana, we created a project to envolve the community to co-create the space. The process lasted one year, was presented in São Paulo’s X Architecture Biennial and resulted in call-to-actions such as Coruja’s Graffiti Gallery and School at the Square.



galeria coruja

Uma das ações que nasceram do Projeto Coruja, a Galeria Coruja contou com duas edições e a participação de 10 artistas: AKN, Tikka, Rodrigo Branco, Paulo Ito, Iskor, Rita Fittipaldi, Remo, Sapiens, Danone e RMI. O Parque Linear das Corujas ganhou vida e cores. Transformou-se em um lugar de contemplação, um refúgio no meio do caos da cidade grande. Algumas obras foram vendidas e a verba foi revertida para o projeto Escola Na Praça.


coruja's graffiti gallery

Coruja's Graffity Gallery was one of the call-to-actions born from Coruja's Project. It had two editions and the participation of ten street artists. Coruja's Linear Park is now a place full of life and colors. It became a contemplation space, a refuge in the middle of the big city chaos. Also, some works were sold to help the project School at the Square.



escola na praça

Com a Escola Na Praça conectamos educação, permacultura e espaço público. As aulas de geografia, história e artes foram substituídas por uma expedição semanal com idas ao Parque Linear das Corujas. Sob a liderança de Peter Webb, a turma do sexto ano da EMEF Olavo Pezzoti colaborou durante 6 meses com a transformação do espaço. Juntos criamos um pequeno pomar, um jardim de flores e aprendemos a dar utilidade a materiais que na maioria das vezes são considerados lixo.


school at the square

School at the Square connected education, permaculture and public space. Regular lessons of geography, history and arts were replaced by a weekly expedition to Coruja's Linear Park. Led by Peter Webb, the sixth grade of a public school class collaborated during six months on the transformation of the space. Together, we created a a small orchard, a flowered garden and we learned how to give value to materials that otherwise would be considered trash.